fbpx

Boteco do JB

Menu Close

amém?

entraremos numa crise econômica de ordem global sem precedentes. e morar num país de terceiro mundo descomandado por um mentecapto não ajuda em nada. até porque temos problemas mais importantes pra resolver antes. ou alguém quer dinheiro depois de morto?

o silêncio dos mais ricos é estarrecedor. até agora não tivemos manifestações relevantes de banqueiros, bilionários e igrejas.

sim, igrejas. poucos ganham mais dinheiro no brasil. se aproveitam da fé de gente inocente e são isentos de tributos, sendo que justo seria o extremo oposto. e não há hora melhor pra cobrar essa conta histórica.

a falta de vergonha na cara por parte dos governantes vem de longe, basta ver a expressiva bancada evangélica na câmara. não é de hoje que caminhamos para um estado teocrático. mas o atual ocupante do planalto capricha nas idéias erradas.

a solução pra crise não é mandar as pessoas pra rua tal como um gado suicida, mas sim sobretaxar fantasticamente as igrejas. mp taí pra isso. só ter um mínimo de bom senso.

mas o que o ocupante faz? libera cultos, como se fosse um serviço essencial. estimula mais uma vez aglomerações, contrariando o que profissionais do planeta inteiro recomendam. é como se, antes da chegada crise financeira, se buscasse por uma solução final. quanto menos gente, menos problema, assim parece pensar.

o que fazer, quando a merda tão estimulada pelo genocida em potencial chegar? empilhar os cadáveres na frente das igrejas?

sigamos fazendo barulho para não ocorrer uma catástrofe ainda maior. a anta está cada vez mais isolada. militares o criticam, governadores o desobedecem e o povo pede por sua saída de maneira cada vez menos tímida.

olha, ele é um criminoso ou um gênio de nível que foge à minha compreensão. fico com a primeira impressão, embora espere estar errado. mas, se não estiver, o meliante tem que ser deposto imediatamente e responder por todo mal que fez.

só não sei se o seu lugar é na cadeia ou no hospício.

© 2020 Boteco do JB. All rights reserved.

Theme by Anders Norén.