fbpx

Boteco do JB

Menu Close

futebol arte

comer menos, comer melhor. o mesmo com bebida. depois de certa idade, soa um tanto óbvio.

comer é um ato político. sim, de acordo. minha parte tento fazer, divulgando trampos legais e denunciando outros menos nobres, desde que comecei a publicar sobre gastronomia.

o problema é quando a palestra se torna maior que a causa. o mundo tá muito cheio de opinião que ninguém quer saber.

mentes preciosas tem dado mais atenção à bandeiras que aos seus próprios trampos e isso joga contra pra caralho. não se deve menosprezar o que se faz bem.

quando um artista abandona sua arte para apenas discursar o resultado final é que ele é cancelado pela maioria da população, funciona contra.

não podemos esquecer quem somos e o porque de termos um público. não deixemos que nos manipulem.

político eleito é o funcionário público a ser combatido, independente de seu partido político. escolha bem seus inimigos. brigue contra eles, não entre vocês.

quanto maior o alcance, maior também é a responsabilidade. se conquistou seu público cantando, dê a eles o que querem, cante. e, ao fazer uma declaração política, seja pontual e econômica. a chance de te ouvirem é maior, garanto. e por aí vai, em todas áreas.

o ano passado, por exemplo, trabalhei por bom tempo num armazém ligado ao mst. comida saudável, agricultura familiar, pacote completo. uma das maiores dificuldades foi a de apresentar produtos de maneira simpática e coerente. eu não quero comer uma empanada vegana, mas uma esfiha de escarola com alho, tomate e castanhas tostadas, sim. quem é vegano vai entender e quem não é talvez se interesse. a causa deve ser consequência de comida gostosa, não o contrário. esse trampo acabou, umas coisas deram certo e outras não. mas espero ter plantado alguma semente.

porque existe todo um mundo além da bem intencionada bela gil. há duas semanas a encontrei num evento gastronômico e provei algo dela, que me perguntou toda sorridente se estava bom. sem graça, fui educado e desconversei, mas a real é que tava mais asséptico que chuchu sem sal. no lugar dela, cozinharia em hospital. sério, palavra de quem já foi internado por algumas vezes. a rotina hospitalar é um tanto chata e tentar achar algum sabor na comida da artista em questão pode ser tarefa divertida. mas ali tá tudo certo, ela oferece o que tem, o que consegue fazer.

no fundo, no fundo sabemos que a derrota é inevitável. mas não deixe que a militância apague sua voz. uma coisa está ligada a outra e é impossível a sobrevivência de apenas uma delas. equilíbrio que chama.

não sejamos cães raivosos. porque é melhor perder como em 82 que ganhar em 94.

© 2020 Boteco do JB. All rights reserved.

Theme by Anders Norén.